Especialidades

Nefrologia

A nefrologia é uma especialidade médica importante não só para o tratamento de pacientes com câncer renal, como também aqueles que apresentam outros tipos de câncer, uma vez que a doença oncológica pode prejudicar o funcionamento dos rins. Saiba mais.
Nefrologia

A Nefrologia é uma especialidade médica dedicada ao diagnóstico e tratamento clínico das doenças do sistema urinário, principalmente relacionadas aos rins, e tem como médico especialista o nefrologista. Entre as diversas atividades deste profissional, destacam-se a prevenção de doenças renais, diagnóstico e tratamento de hipertensão arterial ou infecções urinárias e inclusive transplantes de rim. Os rins são responsáveis não só por filtrar o sangue, deixando-o livre de impurezas, como também regulam a pressão arterial e têm funções hormonais.

Essa especialidade médica é importante não só para o tratamento de pacientes com câncer renal, como também aqueles que apresentam outros tipos de câncer, uma vez que a doença oncológica pode prejudicar o funcionamento dos rins. Esses órgãos podem ser afetados não só pela intensa resposta do organismo à quimioterapia, como também pelas toxinas liberadas pelos quimioterápicos ou por analgésicos, que muitas vezes são indispensáveis para o bem-estar dos pacientes. 

Nesse sentido, é fundamental que os pacientes oncológicos sejam acompanhados por uma equipe médica multidisciplinar, que inclua um nefrologista, principalmente no caso de pacientes com alguma disfunção renal. Esse profissional especializado poderá conhecer os hábitos e histórico o paciente, desde a ingestão de líquidos, queixas ligadas à urina, até episódios de infecção urinária ou a existência de doenças crônicas. 

A realização de exames simples como exame de urina e medição da quantidade de creatinina no sangue, podem revelar se os órgãos estão em pleno funcionamento ou se há alguma doença renal. A creatinina é uma substância continuamente eliminada através dos rins. Se o exame indicar seu acúmulo, é sinal de que algo não está funcionando bem. 

Câncer renal

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o câncer nos rins tem uma incidência de 4,6 por cem mil habitantes, ficando entre os vinte tipos de câncer mais frequentes no mundo. O câncer de rim é também conhecido como hipernefroma ou adenocarcinoma renal. O mais frequente é o câncer renal de células claras, sendo responsável por 85% dos tumores diagnosticados. Como apresenta pouco ou nenhum sintoma, este câncer é descoberto, em geral, por acaso ou quando já está em sua fase mais avançada. 

De acordo com dados do Instituto Oncoguia, são identificados 10 mil casos ao ano no Brasil. Como qualquer outro câncer, quanto mais cedo se inicia o tratamento, maiores são as chances de cura, o que reforça a necessidade de prevenção e de acompanhamento médico frequente com o nefrologista. 

Em geral, esses tumores podem ser identificados por meio de exames como ultrassom e ressonância magnética. O tratamento do câncer renal depende do tamanho do tumor e estágio da doença. Se ela ainda não tiver se espalhado para outros órgãos, existe a possibilidade de intervenção cirúrgica, com a retirada parcial ou total do rim. Quando a doença apresenta metástase, o tratamento é mais severo, com acompanhamento de especialistas de diferentes áreas, como o oncologista, urologista e o nefrologista.  

Prevenção é o melhor caminho

Aproximadamente apenas 10% dos casos de câncer nos rins são identificados após pacientes se queixarem de dores ou perceberem sangue na urina ou alguma massa abdominal palpável. Por isso, o melhor método de identificação deste tipo de câncer é por meio de consultas e exames preventivos. 

De acordo com a OMS, cerca de 30% a 50% dos casos de câncer poderiam ser prevenidos. Nesse sentido, recomenda-se que pacientes com mais de 40 anos, por exemplo, façam anualmente uma consulta médica com um nefrologista e exames de urina e de dosagem de creatinina no sangue. 

Além do histórico do paciente, são conhecidos fatores de risco para o câncer de rim o hábito de fumar, a hipertensão e obesidade. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), mais de 40% dos gastos do SUS com tratamentos oncológicos foram para terapêuticas contra cânceres associados ao excesso de peso, entre eles os tumores de rim. Por isso, é fundamental a manutenção de hábitos saudáveis, com uma rotina livre de tabagismo, exercícios físicos e alimentação equilibrada. 

Links:

https://www.sbn.org.br/o-que-e-nefrologia/entenda-a-nefrologia/

https://www.prorim.org.br/blog-noticias/cancer-de-rim-uma-doenca-silenciosa/ 

https://www.inca.gov.br/

 https://gco.iarc.fr/

Compartilhe
Ou compartilhe o link
Link copiado para sua área de trabalho.

Especialidades

Conheça todas as especialidades médicas dos profissionais do Grupo Oncoclínicas
Saiba mais
Clique aqui e fale direto com a OCPM