Radioterapia

Que cuidados devo tomar durante meu tratamento com radioterapia?

Lave a área tratada com água e sabão neutro. Enxugue com uma toalha macia, sem esfregar.

Não use cremes, loções, talcos, desodorantes, perfumes, medicações ou qualquer outra substância na área irradiada, sem a orientação da equipe de tratamento.

Só utilize algum tipo de curativo na pele com a orientação de seu médico.

Não utilize sacos de água quente ou gelo, lâmpadas ou qualquer outro material sobre a pele em tratamento.

Proteja a pele exposta à luz solar, usando um protetor solar com fator igual ou maior do que 15.

Dê preferência às roupas feitas de algodão. Evite os tecidos sintéticos do tipo nylon, lycra ou tecidos mistos com muita fibra sintética.

Evite usar roupas apertadas.

Posso usar creme na área tratada com radioterapia?

A radioterapia pode causar vermelhidão, descamação e queimação na pele. Não é recomendável passar nenhuma substância na área irradiada sem a orientação da equipe de tratamento. Apenas cremes hidratantes neutros, sem álcool, costumam ser autorizados pelos médicos.

Quais são os principais efeitos colaterais da radioterapia?

Cada pessoa reage de forma diferente à radioterapia, sendo que a intensidade desses efeitos depende da dose do tratamento e da extensão da área irradiada. É comum que a pele que recobre a área irradiada apresente vermelhidão, ardor, coceira e alteração da coloração (escurecimento).

Os efeitos colaterais também variam conforme a parte do corpo tratada:

Cabeça: pode ocorrer queda de cabelo, náuseas e vômitos.

Boca e pescoço: pode haver dificuldade para alimentação devido à inflamação do revestimento interno da boca e da garganta (mucosite).

Tórax: pode haver tosse seca, por inflamação dos brônquios (estruturas cilíndricas que levam o ar para dentro dos pulmões), ou dificuldade para alimentação, por mucosite no esôfago (órgão cilíndrico que leva o alimento ao estômago).

Abdome: podem ocorrer náuseas, vômitos, diarreia.

Bacia: pode haver ardor para urinar e/ou evacuar. Nas mulheres, pode ocorrer secura vaginal, com desconforto durante relações sexuais. Nos homens, pode haver diminuição do fluido da ejaculação quando a próstata é irradiada.

Além desses efeitos dependentes da área de tratamento, os pacientes em radioterapia podem apresentar cansaço. Normalmente, os efeitos colaterais desaparecem gradativamente ao término do tratamento.

A radioterapia pode ainda causar alguns efeitos colaterais denominados tardios, por ocorrerem meses ou anos após término do tratamento. Esses efeitos colaterais são mais raros, mas podem também ser mais graves. Consulte o médico a respeito dos possíveis efeitos colaterais tardios da radioterapia.

O que vou sentir durante e após a radioterapia?

Normalmente, o paciente não sente nada durante e imediatamente após a aplicação da radioterapia. Os eventuais efeitos colaterais da radioterapia geralmente demoram alguns dias para aparecer. Habitualmente, os efeitos colaterais não surgem abruptamente; eles se desenvolvem de forma insidiosa ao longo da radioterapia. Salvo em situações especiais, que serão devidamente explicadas pelo médico radioterapeuta, o paciente pode comparecer sozinho ao serviço de radioterapia, retomando suas atividades normais ao término do tratamento.

Como a radioterapia age sobre o câncer?

A radioterapia atua alterando a estrutura de diferentes moléculas no interior das células, em especial o DNA. As partículas eletricamente carregadas e aceleradas, resultantes da interação da radiação ionizante com o organismo, podem agir direta ou indiretamente sobre o DNA, causando danos à estrutura das moléculas de DNA.

A alteração do DNA provocada pela radioterapia nas células tumorais leva à destruição dessas células. Esse efeito também é observado sobre as células normais, o que pode ocasionar os efeitos colaterais da radioterapia.

Contudo, a forma como a radioterapia é administrada, a dose aplicada e o intervalo entre as aplicações foram estudados de maneira a permitir um maior efeito sobre o câncer e um menor efeito sobre as células normais.

Além disso, o médico radioterapeuta, durante a fase de preparação do tratamento, busca a maneira mais adequada de aplicar a máxima dose recomendada no tumor, com a mínima exposição possível dos tecidos sadios. Dessa forma, o tratamento objetiva a maior probabilidade de cura, com a menor incidência possível de efeitos colaterais.

Quem faz radioterapia pode ficar perto de grávidas, bebês e crianças?

Sim. A radiação não restringe o contato do paciente com outras pessoas. No procedimento, o corpo do paciente é atravessado externamente pela radiação. A radiação não é absorvida. Assim, a pessoa não fica “radioativa”.

Clique aqui e fale direto com a OCPM